quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Declaro para os devidos fins

Declaro, para os devidos fins
Vivi muito e sobrevivi pouco;
Comi demais e não engordei;
Vivi paixões e não amei;
Chorei mais por dor do que por alegria
Sorri por educação,humor não havia.
Meu cansaço é de correr e não de caminhar
Meus olhos cansados,sempre a procurar.
Noites longas e atormentadas
Fantasmas que não morreram
Exorcizando os humanos de suas correntes.
Declaro,para os devidos fins
Minha sede não é de água
Cansei de navegar.
È preciso viverViver e pensar
Em comer de menos e engordar.
Amar mais e avaliar paixões
Ter mais humor,não ferir corações.
Andar por caminhos certos.
Dormir à noiteSonhar
Que fantasmas não existem
Apenas a terra, o sol e o ar.
Esta declaração é pra você que ainda não nasceu.

7 comentários:

Anne M. Moor disse...

Caminhos
Cada um de nós têm
seu próprio caminho
a trilhar,
um caminho posto
que só nós
podemos conhecer.
E alguns devem escolher
o caminho mais alto a frente,
e alguns o mais baixo.

Não importa -
qquer que seja o caminho que tomamos,
qquer que seja a estrada
temos de construir o nosso -
haverá outros
viajando por esse caminho:
não estaremos sozinhos.

(Karen René)

Flavio Ferrari disse...

Quem ainda não nasceu tem o direito de errar ...

Ti disse...

Senti falta do presente, do simplesmente viver, sem compromissos com o passado ou com o futuro...

Beijos

Suzana disse...

É o que eu tenho feito...

É! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
É! disse...

"Declaro,para os devidos fins
Minha sede não é de água"


Érica se apresentando para dizer: UAU! LINDAS PALAVRAS!

Suzana disse...

Que bom "é", vc me entendeu!
Legal!
bjs

Perseguição